Avenida Ibirapuera 2120

Conjunto 24

São Paulo - SP

O Instituto

    O Instituto Mônica Viana está situado na Avenida Ibirapuera, uma das avenidas mais movimentadas e conhecidas de São Paulo.

    O Instituto atende consultas eletivas, de urgência e realiza ainda desde 2009 Elastografia Hepática sendo pioneiro neste tipo de exame no Brasil. Nos últimos anos vem se aprofundando na prevenção, diagnóstico e tratamento de doenças metabólicas, cardiológicas e degenerativas, relacionadas à obesidade e ao envelhecimento, entre elas: Resistência insulínica, Esteatose Hepática, Hipertensão arterial, Doenças do fígado e vias biliares, Diabetes mellitus, Déficit de memória e Alzheimer. Além de refluxo gastro esofágico, e as intolerâncias alimentares entre elas a intolerância à lactose e ao glutén.

    O objetivo do nosso acompanhamento multi-disciplinar é avaliar o organismo como um todo e tratar para re-equilibrar o paciente com o restabelecimento da SAÚDE.

    Os diversos órgãos interagem entre si e o desarranjo de um deles pode afetar o funcionamento dos demais, comprometendo o equilíbrio do organismo como um todo. A clínica por este motivo tem padrão de atendimento multidisciplinar, para que o paciente tenha a possibilidade de identificação e tratamento das doenças em seus diversos aspectos. Com este intuito, contamos com várias especialidades como: Gastroenterologistas, Hepatologistas, Cardiologistas, Endocrinologistas, Geriatras, Nutricionista, Fisioterapeuta. 

Outro diferencial do Instituto é a Elastografia Hepática Transitória ou Fibroscan (ECHOSSENS). 

    Somos pioneiros neste tipo de exame já que realizamos desde 2009 com experiencia de mais de 20.000exames. Existem alguns tipos de aparelhos de Elastografia, porém o Fibroscan é o único dotado de um software capaz de medir a provável quantidade ou grau de Esteatose Hepática (Gordura no Fígado).

 

     Esta informação é fundamental para a conduta a ser escolhida pelo médico hepatologista, endócrino e às vezes mesmo o cardiologista. O equipamento é produzido na França e já foi incorporado pela ANS (agencia Nacional de saúde)  desde Fevereiro de 2018 com criação inclusive de código TUSS para uso no Brasil. É um método inovador, não invasivo, rápido e INDOLOR que permite na maioria das vezes evitar a realização de biópsia do fígado (hepática).